Corações & Mentes

"Se eu quiser proteger meus pés dos espinhos, onde encontrar couro suficiente para cobrir toda o planeta? Mas se eu apenas usar couro sob meus pés é como se toda a Terra estivesse coberta" – Shatideva

A Sabedoria da Raiva

Se soubermos usá-la, a energia da raiva pode transformar-se em uma grande aliada da sabedoria e da compaixão.

anger-3

Será que a raiva é uma resposta apropriada ao sofrimento e injustiça, ou só causa mais conflito? Será que ajuda ou será que atrapalha?

Com tantas coisas ruins acontecendo, e tantos desfechos trágicos de episódios que são uma evidente demonstração de raiva e indignação, ficamos nos perguntando: o que fazer com esse sentimento que é tão humano mas que ao mesmo tempo causa tanta desgraça? Quando expressamos raiva, o resultado é isso que estamos vendo, e se suprimimos, sabemos que só estamos cobrindo a cratera de um vulcão que, na primeira oportunidade, explodirá com mais força ainda. O que fazer para livrar-se do incomodo da raiva e de suas desastrosas consequências?  Antes de mais nada, precisamos enxergar a diferença entre raiva e agressão.

Uma breve reflexão sobre nossa vida, sociedade e a história da humanidade, confirma que a agressão é a maior causa da destruição e do sofrimento.

A agressão é a energia da raiva a serviço do “ego”, é a raiva pronta para atacar qualquer coisa que considere uma ameaça. Mas quando a raiva consegue se livrar do domínio do ego, ela deixa de ser agressiva e é apenas energia. A energia da raiva em seu estado fundamental é sabedoria e poder. Isso é o que diz as filosofias orientais, como o budismo.

A maioria de nós gostaria de ser aquela figura calma, tranquila e inabalável. Certamente deve ser muito confortável, mas às vezes é necessário mais que isso. Às vezes a coisa mais compassiva a se fazer é dizer “Chega!”, é usar a energia da raiva para dizer não ao egoísmo, à exploração e à injustiça.

Em sua forma pura, não influenciada pelo ego, a raiva pode gerar muita coisa boa. No âmbito pessoal, nos ajuda  a perceber nossas fraquezas e ter a coragem de ajudar os outros a lidar com suas próprias tendência destrutivas. Em um âmbito global, a raiva é a energia que inspira os movimentos pela liberdade e justiça social, que tanto prezamos. E a raiva é fundamental para qualquer caminho espiritual, pois antes de aceitarmos mudar, precisamos dizer não às nossas tendências destrutivas.

A energia da raiva faz parte da nossa natureza. O que precisamos é de uma forma de trabalhar essa energia para que não se manifeste como agressão. Precisamos entender de onde surge a agressão, como ela difere da raiva e como trabalhar com ela. Então poderemos começar a domar o monstro da raiva.

Não Violência

A maioria de nós não chega a apelar para a violência física, mas quase todos agredimos com palavras e emoções, principalmente as pessoas que mais amamos. E quase todos nós também somos coniventes e sustentamos todo tipo de injustiça através de nosso silêncio e nossos hábitos de consumo.

A base de todas as religiões, assim como da ética e da moral, são diretrizes sobre como agir para não prejudicar os demais.

Na prática contemplativa, procuramos desenvolver uma atitude interna de gentileza e autoconsciência e monitorar o que surge em nossa mente momento a momento e, assim, poder escolher que tipo de pensamentos, emoções e atitudes seguir, escolher a paz ao invés da violência e da agressão.

Existem diversas técnicas meditativas que podem nos ajudam a não cair nas garras de nossas emoções negativas e agir com base nelas. Essas técnicas nos ensinam a usar o breve intervalo que existe entre o impulso e a ação para escolher o que seguir e como agir. Tiramos as rédeas da nossa vida das mãos das nossas emoções e assumimos nós mesmos o controle.

Eu Sofro, Você Sofre

Precisamos reconhecer que agressão é uma resposta equivocada ao sofrimento, que é a sua causa. Portanto, a autocompaixão e a compaixão são as melhores maneiras de solapar a agressão.

Somos seres que sofrem, mas não sabemos lidar com o sofrimento. Na tentativa de nos livrar desse sofrimento, acabamos por fortalecê-lo.   As práticas contemplativas nos dão força e espaço para vivenciar o sofrimento sem perder a estabilidade e sem atacar os outros. E quando somos vítimas de agressão, saber que sua causa é a dor nos ajuda a lidar com ela de uma forma mais construtiva.

Sem Suprimir e Sem Se Deixar Levar

A energia que está por trás da raiva é o medo e o sentimento de inadequação. Temos medo que emoções intensas como a raiva possam nos abalar e nos fazer perder o controle. E nos sentimos inadequados por sentir emoções “negativas”. Então nos protegemos suprimindo a raiva ou extravasando-a na forma de agressividade. Mas qualquer dessas ações  têm consequências desastrosas.

Precisamos desenvolver a coragem de acolher a energia da raiva. Essa é a base da abordagem contemplativa. Se conseguirmos permanecer com a nossa raiva, poderemos olhar em seus olhos, sentir suas aflições e entender suas  qualidades. Poderemos compreendê-la e nos reconciliarmos com ela.

Perceberemos que essa energia não está nos ameaçando, que podemos desassociar a nossa raiva do nosso ego ou da nossa história, e que a energia da raiva pode até nos ser útil.

Descobrindo a Sabedoria da Raiva

No budismo, diz-se que a energia fundamental da raiva é a sabedoria da clareza. A raiva é precisa e penetrante, percebe a justiça e a injustiça. Quando nos inspiramos a dizer não à injustiça e lutar por algo melhor, isso é sabedoria, e é uma fonte de força, coragem, solidariedade e mudança.

Quando a sabedoria da raiva serve ao ego é agressão, e quando serve ao alívio do sofrimento e a um mundo melhor, é sabedoria. Temos a liberdade de escolher como usar essa energia. Temos o poder de transformar raiva em sabedoria.

Texto livremente traduzido e adaptado de The Wisdom of Anger

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 20 de fevereiro de 2017 por em Sem categoria.
fevereiro 2017
D S T Q Q S S
« dez   mar »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728  

Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

%d blogueiros gostam disto: